Thursday, April 16, 2015

A MEDIDA





Não existe medida para o desespero...
Não existe maior ou menor,
Mais ou menos denso,
Mais ou menos acutilante.
Simplesmente, desespero...
Exalo o fôlego do último respirar
Que me adormece o corpo finalmente.
E quando inclino a minha cabeça,
Entrego nas Tuas mãos o meu ser.
Vejo toda uma obra consumada,
Todo um desespero esmagado,
O sufoco do pecado que os constrange foi desfeito!
Não doem mais os cravos, nem a coroa de espinhos me perturba.
Os risos de escárnio soam como as melodias do Céu,
Porque sei que esmagada está a víbora que me mordeu o calcanhar.
E o que lhes deixei, o que lhes deixo, o que lhes vou enviar,
Faço por causa do nosso amor por eles.
Não existe medida para o amor...
Não existe maior ou menor,
Mais ou menos denso,
Mais ou menos acutilante.
Simplesmente, ama-mo-los.

14/04/2015
© Ricardo Mendes Rosa


Thursday, April 02, 2015

DOIS POEMAS DO CICLO DA PAIXÃO









PILATOS DIRIGE-SE AOS JUDEUS - IV


Eis o homem
que chegou aqui pelo valor mais baixo
que às vezes tem o beijo, o da traição
Este que chegou a golpes de chicote pelo corpo
e pelas faces em silêncio que oferecia
às bofetadas. Este que chegou aqui 
pelo crime de ser Deus
com uma cruz difícil sobre as costas.

02-04-2015
©



SALMO XXII NA CRUZ -III

“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Salmo 22, 1


Coroado de sangue sem nada neste mundo
nenhum lugar agora é meu, reino
ou casa chamada de oração, nenhuma Nazaré
que amei e não me amou, agora
nem este monte do Calvário me pertence
a Cruz é a minha pátria, deixo cair sobre mim
toda a Humanidade.

01-04-2015
© 





Thursday, March 26, 2015

HINO À LOUCURA


Poema de Ricardo Mendes Rosa


Vivemos a vida de pernas para o ar,
sem ânsia de comer, de beber ou gastar.
Confiamos no ganho da providência,
procuramos morrer todos os dias
e viver eternamente.
Não vivemos pela força, nem pela arma,
procuramos ser como ovelhas simples.
Damos a cara à mão, tanto para o afago,
como para a injúria que levantam contra nós.
Somos simples na maneira de viver,
prudentes e sinceros.
Não vivemos para nós mesmos, como
quem esculpe uma imagem e se auto adora nela.
O mundo não é a nossa casa, nem a carne a nossa roupa.
A morte não é a nossa prisão, nem a doença a nossa cela.
Vivemos a vida de pernas para o ar,
na ânsia de algo que há-de acontecer.
Vivemos a vida e morremos,
na certeza de que para nós, morrer é viver.


28/02/2015

Monday, February 09, 2015

O que cantou a Sulamita a propósito do seu Amado



Era uma vez o meu amado como uma macieira
o meu amado era distinto
entre as árvores do bosque,  jovem
a sua sombra ali estava contra os invisíveis
raios solares. Era uma vez o meu amado
como um fruto doce que derramava
frescura no meu paladar.

Ali estava o meu amado, era uma vez com passas na mão
e maçãs como um rubro engaste
Era uma vez o meu amado a acenar ao longe
com o vento nos seus braços, era uma vez
com um perfume que chegava nas mãos, o seu amor
ao redor dos meus cabelos como um laço.


 21-09-2014

© 

Saturday, January 10, 2015

O PERIGO DE TER “UMA OPINIÃO”




Ter uma “opinião” anti-semita, anti-islamismo,  anti-catolicismo romano ou anti-protestantismo, apesar da face aparentemente benévola de “uma opinião”, é um caminho que pode deixar de ser inofensivo.

Uma opinião pode transformar-se em acto.  A Europa desde séculos remotos tinha uma”opinião”, exempli gratia,  contra os judeus.

Nós por cá também e contra os Mouros e, por que não?, contra os protestantes..., mas hoje com a nossa proverbial hipocrisia somos todos “Isto e Aquilo”, mesmo que não percebamos o que é “Isto” e “Aquilo”.

Jean-Paul Sartre escrevia que, a propósito do anti-semitismo em França, a palavra “opinião” fazia sonhar… Tal sonho, à luz da História do século XX, não iliba os franceses nem o seu silêncio quando os judeus de França, designadamente de Paris, começaram a ser presos e deportados no início da década de Quarenta, e não era preciso ser colaboracionista nem apoiante de Vichy para tanto, bastou ter uma “opinião” e fazer silêncio. 

O mesmo Sartre, sempre lúcido, escreveu nsobre a chamada República do Silêncio. E, de igual modo, nas suas “Réflexions sur la question Juive”, de 1954, não deixou pedra sobre pedra sobre o anti-semitismo francês, no que lhe concernia como francês, e a perigosidade de ter “uma opinião” anti-semita pelo menos.
Na obra acima referida, escreve “Au nom des instituitions démocratiques, au nom de la liberte d’opinion, l’antisémite reclame le driot de prêcher partout la croisade anti-juive.”  (pág.8).

As “opiniãoes” anti-qualquer coisa são sempre perniciosas, podem acabar em Auschwitz ou Dachau ou na Prisão de Guantánamo de cores modernas. © 

Wednesday, December 17, 2014

A ESTRELA

(Foto da NASA)


“No cerne da solidão / os olhos de Deus”
Joanyr de Oliveira



Se vier, virá do cerne da solidão, do deserto
Das areias cósmicas, do pó esplendente
Dos cometas, se vier
Ancorará cansada o seu vórtice misterioso
No topo do mundo, no sono
Das crianças, nos ramos dos pinheiros, alçará
Os fonemas da alegria, se vier
Será matéria para contar aos netos dos futuros netos

Matéria disparada do etéreo, povoa
O silêncio da noite, estrela que se revela do rebanho
De outras estrelas, o seu canto
Só os anjos acordados à sua própria voz
Conhecem.  Mas canta realmente
Depois de milénios a fio muda?  O frio
Por onde passa é cada vez mais
O caminho, mas cante ou não
Vem da direcção da luz.

17-12-2014
©



Sunday, November 23, 2014

Antes do Salmo 51 David e Natã





Com uma das mãos lavo o rosto
Com a água corrente dos meus olhos
A outra apoia-se no vazio, abraça
A solidão, a sombra do silêncio
Da harpa suaviza o meu coração de pedra
Agora de carne e fogo
Um hissope começa a escrever o cântico
Do perdão a sangue e água, no espelho
Do meu rosto.


23-11-2014
©